Saltar para: Posts [1], Pesquisa [2]

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Novamente Geografando

Este blog organiza informação relacionada com Geografia... e pode ajudar alunos que às vezes andam por aí "desesperados"!

Precisamos desistir das tendências para levar a sustentabilidade a sério?

Mäyjo, 23.09.19

Tendências e sustentabilidade são frequentemente consideradas incompatíveis. A moda ética foi historicamente acusada de ser muito cara e de design inferior; no entanto, agora existe um exército de marcas lutando para mudar essa perceção ultrapassada. 

A reforma chama-se a melhor opção depois de ficar nua, e Emma Watson é uma das mulheres mais elegantes do mundo, que usa apenas marcas com uma declaração de missão ética. Na semana da London Fashion Week, deste ano, o British Fashion Council realizou uma exposição de moda positiva, apresentando novas marcas e práticas. 

recycle-clothes-300x170.png

Considerando tudo isso, precisamos desistir de tendências para levar a sustentabilidade a sério?

Não há uma resposta simples. A moda ética é complexa - uma iniciativa como o esquema de reciclagem da H&M é ótima, mas isso por si só não vai resolver nada da noite para o dia. Pensar mais sobre o nosso consumo e tomar medidas (grandes ou pequenas) fará uma diferença real.

"Sem dúvida, é preciso mudar de mentalidade", afirma Ella Grace Denton e Jemma Finch, a dupla por trás da iniciativa de troca de roupas Stories Behind Things .

"Nós pensamos na moda como algo que amamos e também durará - algo que é atemporal e não é jogado fora depois de usar apenas uma vez", continuam. "Nosso foco deve estar no estilo e na expressão individual, em vez de imitar as tendências. O estilo é baseado na nossa personalidade. Ao comprar tendências, estamos simplesmente a comprar o modelo de negócios de uma indústria. Ao consumir uma moda que seja significativa e feita de maneira a alinhar com as nossas crenças pessoais, o que vestimos se torna uma verdadeira expressão do eu".

Os designers escandinavos são líderes na esfera da sustentabilidade e Rebecca Thandi Norman, editora da Scandinavia Standard , diz que esta é uma resposta aos pedidos dos consumidores nesta região: "As pessoas aqui preocupam-se com a sustentabilidade em todos os aspetos, de alimentos a móveis. Como a moda é uma parte importante da cultura do consumidor, é necessário levar isso em consideração ao discutir a sustentabilidade. Eu também acho que o design tem tudo a ver com solução de problemas, e os escandinavos são muito bons em design nessa perspetiva."

"Se o desperdício têxtil e o desperdício de água e práticas antiéticas de trabalho (e muitas outras coisas) na indústria da moda são o problema, como podemos resolvê-lo?" continua ela. "Do ponto de vista do mercado, os consumidores na Escandinávia estão acostumados a comprar algumas coisas duradouras, em oposição a muitas coisas descartáveis​​ (o que não significa que a moda rápida não seja uma grande indústria aqui – é). Eles também estão dispostos a pagar pela qualidade. Essas são as condições necessárias para ter sucesso como marca de moda sustentável, para que realmente se possa prosperar aqui."

Em Portugal, precisamos começar a comportar-nos mais como os consumidores escandinavos, realmente pensando no que estamos a comprar, investindo em peças de qualidade e questionando o que estamos a vestir. Questionando coisas como a tendência de vestuário e acessórios em plástico PVC. A poluição por plásticos é uma questão internacional urgente, com um esforço para limitar o uso de plásticos descartáveis. Ao mesmo tempo, no entanto, no ano passado surgiram tendências importantes em plástico como bolsas, sobretudos revestidos de plástico de Calvin Klein e os chapéus de plástico da Chanel.

Trisha Brown, ativista do Greenpeace Oceans, disse a Who What Wear que a adoção do PVC pela moda é bastante surpreendente: "De todos os diferentes tipos de plástico no mundo, o PVC é o mais prejudicial ao meio ambiente. As instalações de produção de PVC geram resíduos clorados perigosos, alguns dos quais inevitavelmente libertados no meio ambiente. Além disso, o PVC geralmente contém aditivos tóxicos, como os ftalatos, que são tóxicos para a vida selvagem e seres humanos". A estilista Rebecca Corbin Murray criticou a indústria por glamourizar o plástico virgem, postando uma foto das bolsas de plástico da Céline e da Burberry na sua página do Instagram, com a legenda: "A dececionante canção de cisne de dois dos designers mais queridos, inovadores e icônicos de nossa geração."

39578061_851908125197224_1024529019275575296_n.jpg

"Não acho que seja possível estar realmente na moda e também ser sustentável", argumenta Norman." Uma grande parte das tendências a seguir é o consumismo constante, que é antitético ao uso sustentável. É claro que existem maneiras de ser criativo e mudar continuamente o que você já tem para acompanhar as tendências. Acho que é por isso que as pessoas que tentam se vestir de maneira mais sustentável desenvolvem um estilo individual, ou um tipo de uniforme, que seja confortável de um ano para o outro. É claro, como diz o ditado: 'Tudo o que é velho se torna novo novamente' na moda, portanto, a maneira mais sustentável de se vestir seguindo as tendências é comprar em segunda mão ou vintage ".

Isabel, ex-editora de redes sociais da Who What Wear, relembra que tendências e sustentabilidade não são incompatíveis. "O maior mito é que fazer compras de forma sustentável significa comprar apenas coisas caras que são 'fabricadas de maneira sustentável'", afirma. "Embora existam toneladas de marcas incríveis que oferecem peças bonitas com preços mais altos (mas comércio justo), fazer compras de forma sustentável também significa mais duas opções. Primeiro, pense duas vezes antes de comprar algo - optar por não comprar algo é fazer compras de maneira sustentável. Quando você decide comprar qualquer coisa, deve cuidar daquilo que comprou: consertar e amar. E dois, tente evitar comprar constantemente coisas novas".

Hoje em dia existem muitos locais/sites para pesquisar e comprando com um ano atrás. Uma grande mudança nos últimos 12 meses foi o aumento do aluguer de roupas - a HURR Collective oferece aos millennials a mesma flexibilidade e compromisso vistos em empresas como Airbnb, Uber e Spotify, mas por guarda-roupas. "Antes de deixar o mundo corporativo, assisti ao aumento maciço da economia de partilha que afetou todas as áreas do dia-a-dia. Como uma das indústrias mais poluentes do mundo, a moda era a próxima grande indústria pronta para avançar", explica Victoria Prew, cofundadora e CEO da HURR Collective. "Estamos construindo o Airbnb da moda para permitir que as mulheres ganhem dinheiro com as peças que já possuem e também aluguem itens deculto (design) por uma fração do preço de compra. Prolongar a vida útil das roupas é uma das melhores coisas que podemos fazer para reduzir o impacto ambiental do nosso guarda-roupa".

 

PAPEL USADO PODE SER TRANSFORMADO EM FLUIDO LÍQUIDO PARA ISQUEIRO MAIS SUSTENTÁVEL

Mäyjo, 30.06.17

jornais_SAPO

Os fluidos líquidos são úteis para recarregar isqueiros ou ajudar a acender um churrasco, mas não são o produto mais ecológico do mundo. Pelo contrário: ele é feito de petróleo e liberta gases tóxicos ao queimar.

 

Para contornar este problema, uma equipa de cientistas de Hong Kong e da Hungria está a desenvolver o que pode ser uma solução mais verde: um fluido líquido limpo feito de papel usado e sem utilidade.

Liderados por István T. Horváth, da City University de Hong Kong, os pesquisadores começaram por usar papel usado e papel de jornal, utilizando ácido sulfúrico como um catalisador e convertendo-o em ácido levulínico e ácido fórmico. Estes, por sua vez, são transformados num composto conhecido como gama- valerolactona (GVL).

Segundo o Gizmag, a GVL pura não cria fumos tóxicos – quando foi usada como combustível em lâmpadas, durante horas numa pequena sala, não criou fumo ou odores. Ao contrário, por exemplo, das lâmpadas a querosene, que são muito usadas nos países em desenvolvimento e são uma das principais fontes de problemas de saúde.

E sim, o GVL também é um acelerador de fogo eficaz quando adicionado ao carvão. Embora funcione muito lentamente na sua forma pura, ele pode inflamar o carvão dentro de poucos segundos, se combinado com o etanol. Em testes de laboratório, verificou-se que uma mistura inflamada de 90% de GVL e 10% de etanol libertou 15% menos compostos orgânicos voláteis que os fluidos líquidos mais tradicionais.

A descoberta foi publicada no jornal ACS Sustainable Chemistry & Engineering.

Foto: Matti Mattila / Creative Commons

Come-se carne demais!

Mäyjo, 22.02.17

 

Várias vozes soam dizendo que é urgente, e importante, que as pessoas entendam que se come carne e proteína de origem animal demais. Em Portugal, e em muitos outros países, sobretudo da Europa, América e Oceania.  Os efeitos deste excesso são nefastos, não só para a saúde, mas também para o ambiente, já para não falar no bem-estar animal, como várias vezes aqui se falou. Procurem saber, não vale enfiar a cabeça na areia!

Imagem daqui
A maior longevidade de vegetarianos e sobretudo de veganos, prova que não é necessário comer carne, peixe e alimentos de origem animal, desde que o regime alimentar seja equilibrado.
Além disso, nada impede uma pessoa omnívora de fazer uma maioria de refeições vegetarianas. 
 
Sobre o assunto, transcrevo o artigo publicado hoje em vários meios de comunicação social, referindo um estudo comparativo efetuado pela ZERO -  Associação Sistema Terrestre Sustentável:



 
Os portugueses consomem 4,4 vezes mais carne, ovos e pescado que o necessário, o que prejudica a saúde, o ambiente e o orçamento familiar, alertaram hoje os ambientalistas da Zero, defendendo a opção por leguminosas.
 
Imagem daqui
Verificamos que os portugueses consomem 4,4 vezes acima daquilo que seria necessário deste componente, da carne, ovos e pescado", disse à agência Lusa Susana Fonseca, da Associação Sistema Terrestre Sustentável, Zero.
 
Num ano, "devíamos consumir à volta de 33 quilogramas do conjunto de carne, ovos e pescado e estamos a consumir muito acima disso, cerca de 178 quilogramas, portanto 145 quilogramas a mais", avançou a especialista, e realçou que, na saúde, "o excesso de proteína causa vários problemas, e não é de todo benéfico em termos ambientais".
 
No final deste Ano Internacional das Leguminosas, e numa época festiva "que tende a propiciar exageros de alimentação", a Zero analisou as recomendações da Direção Geral de Saúde para o consumo de carne, ovos e pescado e comparou com os dados do Instituto Nacional de Estatística (INE) sobre as quantidades destes produtos na alimentação dos portugueses.
 
"Para produzir uma quilocaloria de carne de vaca, por exemplo, precisamos de 174 quilocalorias", principalmente de alimentos para os animais, "o que é mais do que o necessário quando são consumidos alimentos vegetais e leguminosas", justificou Susana Fonseca.
 
Também no consumo de carne, o impacto em termos de consumo de água é 100 vezes superior àquele que é necessário para produzir leguminosas, além de implicar mais emissões de metano, um gás com efeito de estufa que agrava as alterações climáticas.
 
As leguminosas, como feijão, grão, lentilhas, favas ou ervilhas, fazem parte da dieta mediterrânica e da cultura gastronómica portuguesa, são, segundo a Zero, "uma excelente fonte de proteína e podem ser usadas como alternativa a este consumo de proteína animal".
 
Para o orçamento familiar, "fica mais caro [o uso de proteína animal], sabemos que a componente de proteína é das que acaba por ter mais peso" na despesa com a alimentação, especificou a especialista da Zero.
 
Assim, "estamos a desperdiçar dinheiro, estamos a consumir proteína que nos está a fazer mal, está a fazer mal ao ambiente e está a retirar-nos recursos financeiros", resumiu. ...»

Fonte e artigo completo em: Noticias ao Minuto.  Também em RR e Correio da Manhã

DICAS PARA UM NATAL MAIS SUSTENTÁVEL

Mäyjo, 22.12.16

natal

O Natal está quase aí! Neste período em que o estimulo ao consumo é maior, também o impacto ambiental aumenta, com o desgaste de recursos e a consequente produção de resíduos, com o aumento do uso energético e produção de gases com efeito de estufa.

 

A associação ambiental Quercus deixa aqui algumas ideias e sugestões para um Natal mais sustentável, sempre tendo em mente o respeito pelo ambiente, o apoio a projectos sociais e a redução de custos.

Aqui ficam as dez dicas para um Natal sustentável:

1- Escolher a árvore de Natal: se vive numa zona urbana (sem jardim ou quintal) opte por uma árvore artificial que possa reutilizar durante vários anos. Ao optar por um pinheiro natural, escolha com raiz se tiver oportunidade e espaço para os plantar novamente, depois de terminar este período festivo. Uma outra opção passa por usar como árvore de Natal os ramos provenientes de podas e cortes responsáveis feitos na floresta

2- Quando iniciar as decorações: inicie as decorações com a época natalícia (que deverá coincidir com o início do advento, último fim de semana de Novembro) evite, assim, o desperdício de recursos ao começar demasiado cedo

3- Luzes de Natal: opte pelo uso de lâmpadas mais eficientes e de menor consumo energético. Não deixe as luzes acesas em períodos em que não se encontra ninguém em casa ou a família está a dormir

4- Decorações: faça as suas próprias decorações de Natal reutilizando materiais ou, em alternativa, adquira artigos produzidos por Associações de carácter social ou a artesões locais que utilizem produtos sustentáveis

5- Preparativos: utilize os transportes públicos nas suas deslocações

6- Presentes: na oferta de prendas alimentares prefira produtos de origem nacional e, se possível, de modo de produção biológica; em produtos de perfumaria, cosmética ou higiene pessoal, escolha marcas com produtos naturais, biológicos e que não fazem testes em animais (consultar a listagem disponibilizada pela Liga Portuguesa dos Direitos do Animal); em equipamentos eléctricos e electrónicos é importante informar-se previamente quais as marcas mais seguras e ambientalmente mais sustentáveis (consultar páginas da Greenpeace e do projecto Topten.pt da Quercus). Ofereça sobretudo o seu “tempo” como presente, através de visitas aos amigos, familiares e aos mais necessitados

7- Embrulhos de Natal: aposte na reutilização desde o papel de embrulho e adereços, aos sacos, frascos, caixas e outros materiais com potencial de reaproveitamento

8- Ceia de Natal: de modo a evitar o desperdício de alimentos, faça uma lista de compras do que é mesmo necessário, e evite o consumo de produtos demasiado embalados. O ideal é confecionar a maior parte dos pratos e sobremesas em casa, privilegiando produtos locais/regionais/nacionais, adquiridos no comércio local e, se possível, de origem biológica e/ou provenientes de redes de comércio justo. Algumas cooperativas locais promovem a comercialização de cabazes de produtos da zona, privilegiando o contacto direto entre produtor e consumidor, e reduzindo a pegada de carbono destes alimentos

9- Fritos de Natal: recolha o óleo alimentar utilizado nas frituras dos doces de natal e entregue-o para reciclar num ponto de recolha próximo da sua residência

10- Resíduos: faça a separação dos diferentes resíduos, reutilize os papéis de embrulho e os laços decorativos e encaminhe os diferentes materiais para reciclagem utilizando os ecopontos. Adie alguns dias a deposição dos resíduos não orgânicos de forma a evitar a acumulação de lixo nos contentores

Foto: via Creative Commons

 

o que se pode fazer com plástico reciclado?

Mäyjo, 02.10.16

 

Ideias não faltam a esta fábrica em Almada

plastico

Situada em Almada, a Extruplas é a única fábrica no nosso país a fazer a reciclagem de plásticos mistos e a transformá-los em produtos úteis para o quotidiano. Aqui são feitas peças de mobiliário urbano, pavimentos, pontes ou até parques infantis.

Desde o momento que deitamos os nossos resíduos para reciclagem até se transformarem num destes objectos há todo um processo que importa conhecer. Triagem, trituração, intrusão, transformação em perfis, carpintaria, tudo etapas fundamentais para transformar um pedaço de plástico em mesas, bancos, cadeiras e tantas outras possibilidades.

Com esta reutilização é possível dar uma vida ao plástico, que outra forma iria para aterro, e evita-se a utilização de madeira, havendo assim uma dupla vantagem ambiental neste projecto.

Conheça agora alguns dos produtos produzidos nesta fábrica.

O Minuto Verde é uma rubrica produzida pela Quercus e emitida aos dias úteis na RTP.

Foto: via Cretive Commons